quinta-feira, 24 de novembro de 2011

A Líbia que não aparece na sua TV





O grande rio feito pelo homem

O 1º de setembro marca o aniversário da abertura da principal etapa do Grande Projeto Líbio do Rio Feito pelo Homem. Este incrivelmente grande e bem sucedido esquema de água é praticamente desconhecido no Ocidente, mesmo que rivalize e até mesmo supere todos os nossos maiores projetos de desenvolvimento. O líder dos assim chamados países avançados, os Estados Unidos da América não pode admitir o Grande Rio Líbio Feito pelo Homem. O Ocidente recusa-se a reconhecer que um pequeno país, com uma população de pouco mais de cinco milhões, possa construir algo tão grande sem um único centavo de empréstimos dos bancos internacionais.
Até recentemente, o suprimento de água da Líbia vinha de aqüíferos subterrâneos ou usinas de dessalinização no litoral. A água derivada de dessalinização ou aqüíferos perto da costa era de má qualidade e, por vezes intragável. Este problema também fazia com que pouca água estivesse disponível para irrigar terras para a agricultura, que é vital neste país em grande parte deserto.
Na década de 1960 durante a exploração de petróleo no fundo do deserto ao sul da Líbia, vastos reservatórios de água de alta qualidade foram descobertos na forma de aqüíferos. O mais importante desses aqüíferos, ou água rolando de estratos rochosos, foram estabelecidas durante um período geológico em que o mar Mediterrâneo fluia para o sul até o sopé das montanhas Tibesti, que se situam na fronteira da Líbia com o Chade. Durante esse período, o mar Mediterrâneo com freqüência variava de nível, e como resultado, vários depósitos sedimentares foram formados.
A atividade geológica impulsionou para cima a formação das montanhas (Jabal Nefussa e Jabal Al Akhdar) e o movimento descendente associado formou bacias subterrâneas naturais. Entre 38.000 e 10.000 anos atrás, o clima do norte da África era temperado, durante o qual houve considerável precipitação de chuva na Líbia. O excesso de chuva se infiltrou no arenito poroso e ficou preso entre as camadas, formando reservatórios de água doce subterrânea.
Na Líbia, há quatro principais bacias subterrâneas, sendo estas a bacia Kufra, a bacia Sirt, a bacia Morzuk e a bacia Hamada, os três primeiros dos quais contêm reservas combinadas de 35 mil quilômetros cúbicos de água. Estas vastas reservas oferecem quantidades quase ilimitadas de água para o povo líbio.
O povo da Líbia, sob a orientação do líder Muamar Kadafi, iniciou uma série de estudos científicos sobre a possibilidade de acessar este vasto oceano de água doce. Consideração inicial foi dado ao desenvolvimento de novos projetos agrícolas perto de fontes de água, no deserto. No entanto, percebeu-se que na escala necessária para fornecer produtos para a auto-suficiência, uma organização de infra-estrutura muito grande seria necessário. Além disso, uma grande redistribuição da população da faixa costeira seria necessário. A alternativa era "trazer a água para o povo".
Em outubro de 1983, a Autoridade do Grande Rio feito pelo Homem foi criada e investida com a responsabilidade de tomar a água dos aqüíferos no sul, e transmiti-lo pelo meio mais econômico e prático para uso, principalmente para irrigação, na faixa costeira da Líbia .
Em 1996, o Projeto do Grande Rio Feito pelo Homem atingiu um dos seus estágios finais, o jorro de água doce não poluída doce para as casas e jardins dos cidadãos da capital da Líbia Tripoli. Louis Farrakhan, que participou da cerimônia de abertura desta etapa importante do projeto, descreveu o Grande Rio Feito pelo Homem como "um milagre no deserto." Falando na cerimônia de inauguração para uma platéia que incluía os líbios e muitos convidados estrangeiros, o coronel Kadafi disse que o projeto "foi a maior resposta para a América ... que nos acusa de estarmos ocupados com o terrorismo."
O Grande Rio Feito pelo Homem, como o maior projeto de transporte de água já realizada, tem sido descrito como a "oitava maravilha do mundo". Ele carrega mais de cinco milhões de metros cúbicos de água por dia através do deserto para as áreas costeiras, aumentando vastamente a quantidade de terra arável. O custo total do enorme projeto é previsto ultrapassar US$ 25 bilhões (EUA).
Constituído por uma rede de tubos enterrados no solo para eliminar a evaporação, quatro metros de diâmetro, o projeto se estende por quatro mil quilômetros bem fundo no deserto. Todo o material é projetado e fabricado localmente. A água subterrânea é bombeada de 270 poços a centenas de metros de profundidade para reservatórios que alimentam a rede. O custo de um metro cúbico de água equivale a 35 centavos. O metro cúbico de água dessalinizada é de $ 3,75. Os cientistas estimam que a quantidade de água é equivalente ao fluxo de 200 anos de água no rio Nilo.
O objetivo do povo árabe líbio, consubstanciado na projeto Grande Rio Feito pelo Homem, é fazer a Líbia uma fonte de abundância agrícola, capaz de produzir uma alimentação e água adequadas para suprir suas próprias necessidades e para compartilhar com os países vizinhos. Em suma, o Rio é, literalmente, o “'ticket refeição" da Líbia para a auto-suficiência.
Cada tubo do projeto do rio é enterrado em uma vala de aproximadamente sete metros de profundidade, escavação que requer a remoção de cerca de 100.000 metros cúbicos de material a cada dia de trabalho. Escavação é realizada por grandes escavadeiras hidráulicas equipadas com baldes de 7,6 metro cúbico. Uma vez que a vala é preparada, tubos cilíndricos de concreto protendido de 7,5 metros de comprimento e pesando até 80 toneladas são levadas ao local usando uma frota de cerca de 128 transportadores especialmente projetados.
Os tubos são colocados na vala usando guindastes de grande porte, capazes de levantar até 450 toneladas, são empurrados com um trator e unidos aos tubos já assentados. A articulação entre os tubos é selada com um anel de vedação de borracha instalado em uma ranhura especial na extremidade do tubo e depois é selada com argamassa de cimento, por dentro e por fora. A vala é, então, aterrada, cobrindo o tubo com um mínimo de 2 metros de material e restaurando a superfície do deserto.
Após o aterramento, o tubo é adequadamente suportado pelo solo e pode ser hidrostaticamente testado. Isto requer a instalação de anteparas em aço especialmente concebidas em cada extremidade da seção de teste e enchimento da linha com água de poços perfurados adjacente ao transporte. Até comprimentos de 8 km de transporte são testados de uma vez, e, depois de permitir o tempo adequado para o revestimento de concreto do tubo de absorção de água, a linha é pressurizada para testar ambos os tubos e suas articulações.
As instalações, equipamentos e apoio logístico para este projecto são também em grande escala. Cerca de 10.000 pessoas e 4.500 peças de equipamento são empregados na obra. Dois mil 500 toneladas de cimento por dia são fornecidos pela Companhia de Cimento da Líbia e transportado em uma frota de 127 navios tanque-de-cimento para as fábricas de tubos no Brega e Sarir.
O Projeto Grande Rio Feito pelo Homem está trazendo água para o povo e fornecimento de água para uso municipal, industrial e agrícola. A estratégia da autoridade responsável líbia visa aumentar a produção agrícola e pecuária a um nível que atinja a maior taxa possível de auto-suficiência e reduza a dependência de importações provenientes de mercados externos para o menor nível possível. Ela também visa aumentar a capacidade produtiva da força de trabalho e dos investimentos de capital no setor, e na produção de matérias-primas para as indústrias de processamento de alimentos.
De acordo com o escritor Ali Baghdadi, "o rio é uma nova lição e um exemplo na luta para alcançar a auto-suficiência, segurança alimentar e verdadeira independência. Nenhuma nação que depende de um país estrangeiro para alimentar seu povo pode ser livre. The Great rio é um triunfo contra a sede e fome. É uma derrota contra a ignorância e o subdesenvolvimento. Ele reflete a determinação dos líbios para resistir à pressão colonial, para adquirir tecnologia, para desenvolver, para melhorar suas vidas, e para controlar seu próprio destino, de acordo com sua própria vontade. "

Original em inglês no
http://www.galenfrysinger.com/man_made_river_libya.htm

AS HIENAS MATARAM O “LEÃO DO DESERTO”

O massacre praticado pela OTAN a serviço do imperialismo norte-americano na Líbia, assassinando mais de 200.000 líbios, entre civis e militares, demonstra que a humanidade corre um grande perigo com a união de 70 países subservientes aos EUA e Israel (países da OTAN).
Os governos nacionalistas, honrados, serão destruídos e caluniados, humilhados e assassinados pela maior potência militar do planeta e seus cúmplices.
No caso da Líbia, as hienas (governantes e militares da OTAN e EUA), mataram o “Leão do Deserto” Muamar Kadafi. Mataram o homem, mas não suas idéias. O Livro Verde, a Terceira Teoria Universal, um guia para a conquista da verdadeira democracia direta, onde o povo governa sem representantes (políticos corruptos), não pode ser apagado. Mataram um homem mas suas idéias poderosas escreverão a história e no futuro as hienas serão chamadas de hienas. Hoje, nesses tempos obscuros, as hienas se chamam Barak Obama, Sarkozy, Cameron, Berlusconi, Netanyahu, entre outros, mas não passam de hienas sobrevivendo daquilo que roubam dos mais fracos.
Diversas instalações do Grande Rio construído por Kadafi foram bombardeadas pela OTAN, para que empresas norte-americanas, inglesas e francesas reconstruíssem com valores superfaturados, para pagar a “comissão” dos políticos e militares dos respectivos países. Este é o preço para assassinar covardemente mais de 200.000 líbios, entre homens, idosos, homens e mulheres.

Um comentário:

  1. OJOS PARA LA PAZ EN LIBIA

    Estos archivos se han obtenido del blog “Leonor en Libia” en mediante un programa de descarga de archivos de internet, antes de su cierre. El contenido está íntegro desde su inicio en 2008 hasta el cierre del blog a primeros de noviembre de 2011. Puede usarse estos archivos en cualquier navegador, también sin conexión a internet. Los archivos descomprimidos caben en un CD de datos estándar de hasta 700 MB. Se puede descargar el blog “Leonor en Libia” en el siguiente enlace:

    Hotfile.com: One click file hosting: leonorenlibia_blogspot.zip (170 MB)

    MENSAJE A LEONOR: Leonor, he subido esta copia de tu blog a la red para lograr su mayor difusión. Ahora, noviembre de 2011, el conflicto libio está muy vivo y aún mucha gente quiere saber qué ha pasado y qué está pasando en Libia. Tu blog es una herramienta para despertar conciencias. Tu blog en castellano ha sido y, aún paralizado, puede seguir siendo un punto de partida para muchos que quieren saber en qué mundo viven y que quieren posicionarse correctamente para transformarlo. Además, tu blog será, en un futuro, un valioso documento histórico que no debe extraviarse. Nuestro trabajo, el de muchos de los que han participado en el blog, y muy especialmente el tuyo por su intensidad, su volumen y su valor, merece que se conozca y que se divulgue. El autor

    ResponderExcluir